domingo, 15 de novembro de 2009

Notícias de Novembro de 2009

A Polícia Federal comprou 15 UAV da IAI por US$ 350 milhões.

A MB comprou mísseis anti-carro MSS 1.2 da Mectron por 21,6 milhões de Reais para substituir os mísseis Bill.

O US Army está estudando a instalação de um radar montado no capacete (Helmet-mounted radar) para dar alerta em todas as direções em combates em localidade. O programa Helmet Mounted Radar System (HMRS) será um radar em miniatura com campo de visão horizontal de 360 graus com capacidade de detectar alvos móveis para alertar o soldado de ameaças a até 25 metros. O sensor deve ser integrado no Advanced Combat Helmet, ter capacidade de ver através de folhagem e ver através de parede também é desejável. O peso total deve ser menos de 1,2 kg sendo e menos de meio quilo montado no capacete. O problema é cobrir para cima para o caso de levantar cabeça e a interface.

A Austrália aprovou um contrato de A$493 milhões para a compra de 35 obuseiros M777A2 de 155mm.

A Thales Austrália mostrou seu novo Protected Mobility Vehicle Hawkei (cobra local) para o Projeto Land 121 para substituir o blindado Bushmaster.

A AgustaWestland foi contratada por US$ 5 bilhões para fornecer 80 helicópteros para a Argélia sendo 40 Merlin e 40 AW 109 e AW 139. O contrato inclui a montagem local, treinamento e manutenção.

A Rússia está comprando 24 caças Mig-29K por US$ 42 milhões cada para substituir os Su-33 em operação no NAe Kuznetsov. A compra de novas aeronaves foi considerado mais barato que modernizar os 16 Su-33 disponíveis atualmente. O objetivo pode chegar a compra de 64 aeronaves. O Mig-29K está prestes a entrar em serviço na Marinha da Índia.

A Índia pretende comprar um lote adicional de 29 Mk-29K por US$ 1,1 bilhão. Se juntarão a encomenda inicial de 14 Mk29K já comprados

A Índia pretende comprar mais 50 Su-30MKI adicionado aos 230 já encomendados. A Índia também pretende reformar seus jatos Su-30MKI tendo recebido 105 aeronaves em operação deslocados para bases próximas a China.

A Líbia pretende comprar caças russos por US$ 1 bilhão incluindo quatro Su-30, seis Yak-130 e 12-15 Su-35. O objetivo final é substituir cerca de 200 caças Mig-21, Mig-23, Su-22 e Su-24. Os libios ainda não pagaram as aeronaves anteriores e contrato inclui o perdão da dívida. O contrato deve ser assinado em 2010.

A Arábia Saudita pretende comprar oito aeronaves de patrulha marítima P-8A Poseidon como reação ao crescimento do poder naval do Irã incluindo seus submarinos miniatura. Cada aeronaves deve custar 220 milhões.

A Alenia propôs a USAF a venda de 20 caças AMX para a Força Aérea do Afeganistão para missões de apoio aéreo e função secundária de interceptação. A USAF também recebeu propostas de venda dos L-159 checos para a função. O requerimento local é de 48 aeronaves, a jato ou turboélice, para serem comprados até 2013.

A Boeing confirmou que pretende propor o OV-10 Bronco para o projeto Light Attack Armed Reconnaissance (LAAR) da USAF para competir com o AT-6, Super Tucano e o M-346.

O AT-6 que irá concorrer para o programa LARA da USAF terá um novo motor com potencia de 1.600 shp, usará os mesmos sistemas do A-10C, com SATCOM, datalink e downlink de vídeo, alerta de mísseis, contramedidas eletrônicas, blindagem e proteção nos tanques. Terá seis estações de armas com capacidade de 120 kg e 250 kg.

O Equador comprou seis caças Su-30MK2 por US$ 200 milhões para substituir os Mirage F1. A Denel tinha oferecido 12 caças Cheetah C para Equador cerca de US$ 10 milhões cada. A Venezuela doou seis Mirage 50 para o Equador.

A USAF irá equipar seus caças F-15C com um IRST retirados dos F-14D que saíram de serviço. Os sensores serão levados em um casulo abaixo da entrada de ar. O IRST tem alcance 30 km para detecção com precisão, mas as nuvens podem distorcer a imagem. A vantagem é operar silencioso sem transmitir e pode detectar alvos furtivos. O IRST do F-14 era notado pelo grande alcance mas a mais de 30km os dados são bem vagos, mas ainda indicando que alguém está lá fora.

O Marrocos comprou três CH-47D por US$ 134 milhões inclui apoio logístico.

A USAF comprou o casulo Litening G4 por US$153 milhões incluindo apoio logístico. O G4 tem sensor FLIR e TV com resolução de 1024x1024 pixels e capacidade de reconhecimento automático de alvo e datalink opcional.

A Colômbia quer comprar um lote adicional de Super Tucanos de 10 aeronaves por US$ 70 milhões para se juntar aos 25 já em operação.

O Paraguai quer comprar seis Super Tucano por US$ 105 milhões.

O Egito pretende comprar 24 caças F-16C por US$ 3,2 bilhões incluindo equipamento associado como ECM, casulos de reconhecimento e casulos Sniper ou Litening.

A China aceitou vender 36 jatos J-10 para o Paquistão por US$ 39 milhões cada.

A França comprou três fragatas FREEM sendo uma de guerra anti-submarina e duas defesa aérea (FREDA) que se juntarão as oito encomendadas em 2005. A primeira deve ser entregue em 2012 e a última em 2022.

A Suécia estuda compra de navio de apoio logístico multifuncional, designado L10, par entrar em serviço em 2015 atuando como navio de reabastecimento, apoio logístico, transporte de carga e apoio anfíbio, apoiando fuzileiros, navios e helicópteros.

A Royal Navy irá sacrificar um de seus novos NAes CVF de 65 mil toneladas para economizar 8,2 bilhões de libras. O motivo é o aumento do custo dos caças J-35B que irão equipar os navios. Inicialmente o plano era cortar um dos submarinos classe Trident. O HMS Queen Elizabeth deve entrar em serviço em 2016 e o HMS Prince of Wales deverá entrar em serviço 2018 sendo que o segundo será usado como navio de comando anfíbio operando apenas com helicópteros substituindo o HMS Ocean. A compra de JSF ira cair de 138 para 50 aeronaves. A RAF planejava substituir os Tornados com o JSF mas agora serão substituídos pelo Eurofighter.

A Israel Aerospace Industries (IAI) mostrou o REX, uma plataforma robótica para acompanhar forças terrestre em operações capaz de levar 200 kg de carga apoiando grupos de 3-10 tropas em missões operacionais e logísticas por 72 horas sem reabastecer atuando como "burro de carga". O REX segue o líder a uma distancia segura e responde a comandos simples com parar, aproximar, abaixa, etc.

O SOCOM contratou a L3 por 250 milhões por cinco anos para fornecer o UAS Viking 400 incluindo treinamento e apoio logístico para o programa Expeditionary Unmanned Aircraft System (EUAS).

A Lockheed Martin mostrou seu conceito para o projeto MQ-X. A proposta é de uma aeronave não tripulada com propulsão hibrida com um par de jatos para transito e um motor turbo-diesel de 300 HP para movimentar uma hélice para um voo de maior alcance ou autonomia. Operando juntos podem atingir grande altitude. A fuselagem é do tamanho do F-35 com sensores internos e compartimento interno de bombas. O projeto será modular com asa curta para media altitude e hunter-killer, com maior velocidade, mas com menor autonomia de 20-30 horas e um teto de 20 25 mil pés e com opção de asa longa para maior altitude acima de 40 mil pés e e autonomia de 40h ou mais.

O IRIS-T SL (Surface Launched) testado em voo na África do Sul com disparo balístico.

O US Army comprou um lote adicional de mísseis Javelin por US$ 214 milhões.

A Boeing foi contratada por US$ 72 milhões para fabricar 2.90 kits JDAM para entrega entre 2011 e 2012 como parte do Lote 14. O contrato pode ser aumentado para US$ 590 milhões até 2015. A Boeing já entregou 210 mil kits JDAM produzidos desde 1998.

O Pentágono foi notificado do interesse do Chile de comprar 36 veículos antiaéreos Avenger junto com 378 mísseis Stinger por US$ 455 milhões, um lote de 100 mísseis AIM-120C-7 AMRAAM por US$ 145 milhões e seis radares AN/MPQ-64F1 SENTINEL por US$ 65 milhões.

O Paquistão pretende comprar mísseis MAA-1B da Mectron. O Paquistão já tinha encomendado 100 mísseis MAR-1 por US$ 85 milhões.

Clique aqui e veja os artigos e matérias do Sistema de Armas



terça-feira, 15 de setembro de 2009

Notícias de Setembro de 2009

O Presidente Lula anunciou que o Rafale foi escolhido para o Programa FX-2. Serão adquiridas 36 aeronaves por cerca de US$ 4 bilhões.

A FAB comprou seis helicópteros UH-60L por US$ 73 milhões.

A Imbel mostrou seus novos projetos de fuzis com nova empunhadura, novos reténs de carregador e ferrolho, guarda-mão e tampa da culatra com trilhos Picatiny para receber acessórios.

A Venezuela comprou lançadores de mísseis SAM russos modelo S-300 (SA-20 na OTAN). Foram comprados uma unidade radar e 4-8 lançadores. A compra faz parte de uma compra de US$ 2,2 bilhões incluindo outras armas como 92 carros de combate T-72 ou T-90.

A Rafael mostrou o míssil Mini-Spike para equipar Pelotões e Companhias de infantaria para ser usado como arma de precisão do tipo "dispare-e-esqueça". O sistema pesa 12 kg operado por um homem com uma unidade de comando (CLU) de 4kg e dois container com de 4kg com o míssil. A cabeça de guerra foi projetada para causar ferimentos e destruir estruturas e não para penetrar blindagem. O alcance é de até 1.200 metros e é possível escolher angulo de ataque. Um ataque do alto pode ser usado contra tropas escondidas.

O Exército italiano escolheu o míssil Spike LR como o substituto do Milan e parte dos lançadores TOW. A aquisição inicial de 879 mísseis, 64 lançadores de infantaria, 20 para o blindado Dardo e 63 sistemas treinamento irá custar US$ 170 milhões em seis anos. A Marinha irá comprar 120 mísseis, seis lançadores e quatro de treinamento. Os primeiros devem ser entregues no fim de 2010. O Spike LR competiu com o Milan EF e tambem deve ser usado no AW129.

A Raytheon iniciou o desenvolvimento do mini-míssil Griffin. O míssil tem 106 cm de comprimento, 14 cm de diâmetro e 20 kg de peso. É lançado por tubo, com guiamento por laser semi-ativo. Pode ser usado parar para armar o UAV Predator e outros UAV dando capacidade de ataque. Devido ao peso três mísseis podem ser instalados no lugar de um míssil. A pequena cabeça de guerra causa pouco dano colateral. O projeto modular usa tecnologia de outros mísseis como o Javelin, AIM-9X e outros.

A MBDA mostrou novo sistema de guiamento para equipar foguetes Zuni de 127 mm com sensor por laser semi-ativo. O objetivo é participar de uma concorrência do USMC para uma arma de precisão para jatos rápidos.

A Força Aérea da Jordânia pretende adquirir 85 mísseis AIM-120C-7 por US$ 131 milhões incluindo peças de reposição documentação técnica, treinamento e outros itens menores.

A Coréia do Sul comprou 55 AIM-9X e apoio logístico por US$ 41 milhões.

A Arábia Saudita comprou o míssil IRS-T para equipar seus novos caças Typhoon.

A França e o Reino Unido estão estudando o desenvolvimento de um novo míssil anti-navio lançado de helicóptero para o programa French Anti-Navire Léger (ANL) frances e Future Anti-Surface Guided Weapon (FASGW) britânico. A fase inicial de dois anos irá custar US$ 50 milhões de Euros. O novo míssil irá equipar os helicópteros NH90, Panther e Wildcat. O objetivo é engajar navios rápidos com menos de 500 toneladas e colocar fora de combate navios de até 1000 toneladas.

A DARPA contratou a Lockheed Martin para o programa Long Range Anti-Ship Missile (LRASM) por US$ 10 milhões para a fase inicial de demonstração de nove meses.

A Israel Aircraft Industries (IAI) mostrou o Jumper, um míssil de artilharia de lançamento vertical de operação autônoma. Oito canister de míssil são instalados em uma unidade comando de 3x3 metros e 2 metros de altura. Cada míssil pesa 63 kg com alcance de 50km. O míssil tem comprimento de 1,8m controlado pela cauda e de 150 mm diâmetro. O guiamento é por GPS/INS.

A IMI está desenvolvendo o projétil Kalanit para armar blindados com canhão 120 mm. O objetivo é destruir posições anti-carro, como equipes de infantaria de duas tropas, que seriam difíceis de atingir com munição convencional. A Kalanit lança seis cargas de estilhaços de vários tamanhos e pode ser programada para explodir em uma área determinada. Também pode ser usada contra helicópteros e construções. Deve entrar em operação em 2010 no Merkava.

A Arábia Saudita pretende comprar 72 F-15 Eagle provavelmente será a versão Silent Eagle.

A Força Aérea Suíça comprou 14 casulos ATFLIR por US$ 41,7 milhões para equipar sua frota de caças F/A-18. Os suíços já tinham comprado um ATFLIR em 2008 com 14 opções agora exercidas.

O Iraque comprou sete T-6A Texan II por US$ 171 milhões incluindo treinamento e manutenção. A compra total pode chegar a 56 aeronaves incluindo 36 AT-6B armados.

O SOCOM ainda pretende comprar canhoneiros C-27J chamado AC-27J Stinger pois precisa da capacidade de operação remota, em pequenas pistas, com menor custos.

A Coréia do Sul mostrou o projeto KUH (Korean Utility Helicopter) chamado de Surino. O novo helicóptero pode levar 11 tropas, com peso máximo de 8,7 toneladas. Será 60% fabricado localmente com um custo de projeto de US$ 1 bilhão. Será usado no mercado civil e militar.

A Coréia do Sul comprou oito helicópteros MH-60S por US$ 1 bilhão.

A Índia comprou mais cinco helicópteros de alerta aéreo antecipado Ka-31 equipado com radar E-801 capaz de detectar 200 alvos e acompanhar 20. O alcance é de 150 km contra alvos no ar e 250km contra alvos no mar. A Índia já tinha comprado nove unidades em 1999.

O Canadá comprou 15 CH-47F Chinook por US$ 1,2 bilhões. O custo total chega a US$ 2,2 bilhões incluindo manutenção por 20 anos.

O Egito comprou seis CH-47D Chinook por US$ 308 milhões.

A USAF lançou um pedido de informações para compra de 100 caças leves e reconhecimento armado para o programa Light Attack/Armed Reconnaissance (LAAR) com entrega em 2012 com e entrada em serviço em 2013. A especificação é de um turboélice biposto, com teto de 30 mil pés, câmera de vídeo, datalink, supressor IR, alerta radar e cabine blindada. As armas inclui canhão, duas bombas Mk82 e foguetes de 70 mm. Os competidores incluem o Air Tractor AT-802U, Super Tucano, AT-6B e PC-9. A USAF estuda criar uma ALA de contra insurgência e guerra irregular. Junto com a compra de cerca de 50 aeronaves semelhantes o total pode chegar a 150 aeronaves. O pedido foi lançado junto com outro para compra de 60 aeronaves de transporte leve com capacidade para seis tropas e pequenas cargas para operar em pistas austeras para o programa Light Mobility Aircraft (LiMA).

A Royal Navy está equipando seus helicópteros Lynx HMA-8 com uma mira montada no capacete para o artilheiro na cabine traseira. O artilheiro irá receber imagens da câmera térmica montada na metralhadora M3M direto na no capacete Q-Sight. A compra inicial foi de 12 capacetes. O sistema inclui a câmera Gunner Remote Sighting Systems (GRSS) para equipar a metralhadora. Os Lynx armados com a M3M são usado para proteção de força, anti-pirataria e anti-narcótico. A capacidade de passar as imagens para os pilotos será adicionada no futuro.

A Tailândia comprou três UH-60L Black Hawk por US$ 150 milhões incluindo apoio logístico.

O Equador comprou 14 caças Mirage 50M Pantera do Chile sendo que quatro serão canibalizados.

A Rússia comprou 64 caças por US$ 2,5 bilhões. São 48 Su-35 entregues em seis anos, 12 Su-27SM e quatro Su-30M2 entregues em dois anos.

A China comprou quatro hovercraft classe Zubr da Ucrânia por US$ 80 milhões cada. O Zubr tem deslocamento máximo de 555 toneladas, pode levar 150 toneladas, alcance de 480 km/h e velocidade máxima de 110 km/h. Está armado com canhões de 30mm para defesa e dois lançadores SA-N-5. Pode levar lançadores de foguetes de 140mm e até 80 minas.

A Dynamit Nobel Defence GmbH mostrou o Wirkmittel’ 90 (Meio de Força) com o objetivo de preencher o espaço entre as armas guiadas portáteis e as não guiadas. O Wirkmittel é um lança-rojão de 90 mm, com alcance de 20 a 1200 metros, cabeça de guerra de 3 kg tipo HESH anti-material com espoleta de contato, curta e atraso. A mira é destacável, com telêmetro permitindo correção lateral e elevação. Pode ser disparada dentro de prédios com pouco jato traseiro. O peso total é de 10 kg. A Alemanha pretende substituir o Panzerfaust 3 em 2014 e a nova arma compete com o SMAW, AT-4 e Carl Gustav.

O Reino Unido comprou 62 obuseiros M-777 por US$ 117 milhões que irão se juntar a encomenda anterior de 63 obuseiros.

Devido a reclamação das tropas no Iraque e Afeganistão o US Army está avançando no projeto LSAT (Lightweight Small Arms Technology) para uma nova metralhadora para substituir a M-249. O calibre será de 5,56mm, mas o objetivo é reduzir o peso de 19,5 kg da M249 com 600 projéteis. A LSAT já foi testada mas não em campo. Uma versão usa munição não letal e outra munição sem cartucho. A alimentação da munição é feito por engrenagem com a cápsula ejetando para frente e diminuindo problemas de superaquecimento. O resultado foi cerca de 9kg mais leve. A LSAT deve ficar pronto em dois anos. O próximo passo pode ser um fuzil com mesma tecnologia ficando pronto em cinco anos.

A Thales UK foi contratada por 150 milhões de libras para fornecer os primeiros sistemas do programa de modernização de soldado FIST - Future Integrated Soldier Technology. Os primeiros sistemas são sistemas de aquisição de alvos e vigilância (surveillance and target acquisition (STA)) e sistemas C4I. O objetivo é equipar uma equipe de tiro de quatro tropas para conduzir operações com maior capacidade. As melhorias são as capacidades detecção todo tempo, engajamento rápido, melhor localização de alvos, maior precisão e visão em cobertura. Os sistemas são câmeras térmica, miras de curto alcance diurnas, mira de lança-granada, localizador de alvos do comandante, periscópio leve e câmeras digitais. Serão entregues 1.1000 sistemas STA iniciando em 2010 com testes no Afeganistão em 2011. As entregas devem ser completadas em 2014.

A Force Protection Europe mostrou o novo veiculo de patrulha Ocelot. O objetivo é participar do programa britânico Light Protected Patrol Vehicle (LPPV) para substituir o Land Rover Snatch. O Ocelot pesa 7,5 toneladas podendo ser levado no C-130 ou CH-47. A Supacat concorre com o Supacat Protected Vehicle (SPV) SPV 400 concorre pesando 7,5 toneladas e 2+4 tripulantes.

A Rússia mostrou a aeronave não tripulada de médio alcance e grande altitude Dozor-600 MALE que deve voar em 2010. O peso máximo de decolagem é de 600 kg.

Clique aqui e veja os artigos e matérias do Sistema de Armas


sábado, 11 de julho de 2009

Notícias de Julho de 2009

A FLIR System foi selecionada pela Embraer para fornecer visores de imagem térmica
para os caças A-1M AMX modernizados por US$ 7 milhões.

A Sikorsky recebeu um contrato de US$ 60 milhões para a compra de quatro UH-60L para a FAB.

A Singapore Technologies (ST) Electronics mostrou seu novo programa de Unmanned Surface Vehicle (USV) chamado Venus. O Venus é baseado em um bote semi-rigido de 9 metros comercial. O USV pode ser configurado para várias missões com módulos de cargas diferentes. O projeto foi baseado na experiência adquirida com o uso do Spartan da US Navy

A SAGEM mostrou seu novo UAV de longo alcance Patroller baseado no planador S10-VT. A carga de até 250 kg pode ser instalada dois casulos nas asas e um na fuselagem. O Patroller tem peso máximo de 1050 kg, envergadura de 18 metros, motor 115hp Rotax 914F podendo atingir uma velocidade máxima de 315km/h com autonomia de 30 horas e teto de 8 mil metros.

A EADS mostrou o mockup do UAV Talarion para concorrer em um programa conjunto da França, Alemanha e Espanha. O Talarion tem 27,9 metros de envergadura com capacidade de levar carga modular. O primeiro voo está previsto para 2013 e entrega em 2015. A proposta inicial de seis sistemas para a França e Alemanha e três para Espanha. Cada sistema tem três UAV e um centro de controle.

A USAF anunciou que o programa MQ-X deve iniciar 2010 para substituir os UAV Predator e Reaper. O MQ-X deve ter um maior desempenho em velocidade, raio de ação, autonomia e carga, arquitetura aberta, operadores com vários UAV sob controle simultaneamente. São problemas conhecidos do Predator e Reaper. O MQ-X deve ter o tamanho de um caça de 20 mil libras sem características furtivas entrando em operação em 2020. Seria propulsado por um Turbofan para resposta rápida e pode ter formas furtivas, mas sem material furtivo. Para voar alto e por longo tempo precisa de um nível furtivo que não é considerado desejável. Para diminuir custo também será equipado com um motor já disponível. A General Atomics já lançou o Avenger. A Northrop Grumman oferece uma versão maior do Bat. A Raytheon deve concorrer com uma versão maior do KillerBee-4 (KB-4). A foto abaixo é de um conceito da Boeing.

A MALAT mostrou seu novo Maritime Naval Rotary Unmanned Aerial Vehicle (NRUAV) desenvolvido em cooperação com a Índia. O NRUAV será usado como "mastro elevado" pára aumentar a cobertura dos sensores do navio para dar alerta e detecção de aeronaves, mísseis e navios com vários tipos de sensores. O NRUAV já a capacidade de pouso automático.

A Rafael mostrou o casulo Recce-U de reconhecimento para equipar UAV baseado no RecceLite. O sistema inclui um Ground Data Link Station (GDLS) e um Ground Exploitation Station (GES).

A Kongsberg foi contratada para desenvolver o JSM - Joint Strike Missile por 166 milhões de NOK em 18 meses. O JSM será uma versão ar-superfície do míssil anti-navio NSM para equipar os F-35 norueguês.

A Team Complex Weapon (Team CW) formada pela MBDA, Thales UK, Qinetiq e Roxel recebeu um contato de US$ 108 milhões para projetar seis mísseis guiados: Storm Shadow Enhancement, o Future Local Area Air Defense System para substituir o Sea Wolf e Rapier, avaliar capacidade de uma arma de 50 kg lançada do ar, a munição de espera Fire Shadow e uma versão leve e outra pesada do Future Antiship Guided Weapon (FASGW).

A Raytheon irá fornecer uma nova variante do Maverick Laser chamado AGM-65E2 Laser Maverick. O míssil terá um sensor no estado de arte e nova seção de controle. O objetivo é apoiar as operações de CAS contra alvos móveis em ambiente urbano. Serão modernizados 450 mísseis para o programa. A Laser JDAM era outra arma para o programa.

A USAF estuda uso de caças para derrubar mísseis balísticos com caças F-15 e F16, e talvez F-22 e F-35, armados com armas especializadas chamas de Air Launched Hit-to-Kill (ALHK). O estudo iniciou em um jogo de guerra de 2008 baseado em um teatro europeu de 2020, levando aos estudos do ALHK. A ameaça seria de mísseis balísticos de pequenas nações. A estratégia ALHK seria enviar CAPs de caças, com rede de reabastecimento e reconhecimento radar para intercepta mísseis e estabelecer zonas protegidas. O estudo usou caças F-15 e F-16 com mais estudos sendo necessários para equipar o F-22 e F-35. Os caças levariam dois tipos de mísseis para derrubar mísseis balísticos na fase de lançamento ou voando alto na atmosfera. O interceptador de grande altitude seria baseado no míssil THAAD de 1500 libras usado pelo US Army. O interceptador de baixa altitude seria o AMRAAM. O estudo foi a frente após o cancelamento do YAL-1 Airborne Laser.

A Espanha comprou 700 mísseis IRIS-T, 70 de treino, 385 lançadores e apoio logístico por 247 milhões de Euros por 10 anos para equipar o Typhoon e F/A-18. O IRIS-T irá substituir os AIM-9 espanhóis. O IRIS-T concorreu com o AIM-9X, Python 5 e ASRAAM.

A MBDA testou um laser semi-ativo em foguetes Zuni em um campo de teste da US Navy com sensor WGU-58/B e hardware e software comercial. O alcance permite disparar fora das defesas do alvo.

O EuroSpike vendeu Spike LR para o programa Multi-purpose, Light Guided Missile System (MELLS) do Exército alemão para equipar o blindado PUMA. O contrato de 35 milhões de Euros para 311 mísseis com 1160 opcionais podendo chegar a 154 milhões de Euros. O contrato anterior de 2008 de 18 milhões de Euros foi gasto com a integração do míssil no blindado.

A Israel Aerospace Industries (IAI) mostrou a nova bomba guiada a laser MLGB - Medium Laser Guided Bomb com guiamento duplo laser e GPS. A cabeça de guerra é de 80 kg, e tem asas retrateis. O objetivo é usar a nova bomba em ataques de precisão e apoio cerrado com pouco risco de dano colateral.

A Israel Aerospace Industries (IAI) foi contratada para fornecer o míssil SAM terrestre Barak 8 para um comprador não informado. A versão naval Barak 8 AMD já foi vendida para Israel e outro comprador estrangeiro. O sistema é composto por um centro de comando BMC4I, uma estação de radar LB-MF-STAR e vários lançadores múltiplos. O míssil é disparado verticalmente com guiamento terminal ativo.

A Lockheed Martin contratada pela DARPA para desenvolver o Long-Range Anti-Ship Missile (LRASM). O objetivo é proteger navios da US Navy operando Pacífico contra ameaças locais. O LRASM deve entrar em operação rápido. Será disparado pelo lançador VLS já usado nos navios da US Navy. O novo míssil terá longo alcance e deve operar sem apoio de meios externos como inteligência, datalink e GPS. Deve ter técnicas de sobrevivência para penetrar as defesas. Depois deve detectar alvos com meios próprios.

Os estudos da USAF para um substituto do treinador a jato T-38 já foi iniciado este ano. O programa inclui aeronaves e simuladores. A aeronave deverá ter capacidade de manobrar a 9 g enquanto o T-38 está limitado a 5g, mas raramente passa de 3-4 g's nos treinamentos. O T-38 deve voar até 2026 sendo que ainda existem 558 em operação na USAF

Os novos planos de compras de aeronaves do US Army inclui o gasto de US$ 7 bilhões para compra de 54 UH-72 Lakota, oito AH-64, 39 CH-47, 83 UH-60 e 704 RQ-11 Raven.

O turboélice Air Truck AT-802U está sendo comercializado como plataforma de operações de contra-insurgência, apoio cerrado, inteligência e reconhecimento. O AT-802U será armado com duas metralhadores GAU-19 de 12,7mm, lança-foguetes e bombas Mk. Poderá receber mísseis como o Hellfire e DAGR e casulo Sniper XR. A cabine será blindada e será equipado com sistemas de alerta de mísseis AAR-47 e FLIR.

A Rússia planeja comprar 38 aeronaves de transporte pesado Il-476 até 2020. O Il-4576 é a nova versão do Il-76MD com asas mais leves e motor PS-90A-76. A capacidade de carga aumentou para 60 toneladas.

O Vietnã comprou mais 12 caças Su-30MK2 por US$ 42 milhões cada com o primeiro entregue no fim de 2009. As novas aeronaves terão capacidade anti-navio. O Vietnã já opera 12 Su-30 e 36 Su-27.

A Boeing está desenvolvendo o programa FASTR - Folding Advanced Stopped Tilt Rotor para a Darpa. O objetivo é parar o rotor e dobrar a pás para ir mais rápido. O conceito já foi estudado na década de 70 sendo considerado complexo na época. Agora pode ser parte do programa Joint Multi Role (JMR) para substituir o AH-64, UH/MH-60, AH-1 e UH-1.

O US Army planeja testar um blimp não tripulado para vigilância persistente para o programa Long Endurance Multi-INT Vehicle (LEMV). Os testes devem ocorrer no Afeganistão. O LEMV será um blimp hibrido com flutuação, propulsão e meios aerodinâmicos para facilitar o pouso e decolagem. O programa LEMV irá substituir o programa Persius (Persistent Elevated Reconnaissance Surveillance Intelligence Unmanned System). O LEMV deve levar uma carga de mais de 1 tonelada a 20 mil pés por três semanas. Será pilotado opcionalmente para deslocamento podendo voar 2500 milhas. Voando a 10 mil pés a carga será de 2 toneladas. A velocidade máxima será de 80 milhas e 20 milhas de cruzeiro. Os dados são do demonstrador de tecnologia pois o objetivo é uma carga de 7 mil libras a 20 mil pés por pelo menos um mês a 30 milhas por hora em velocidade de cruzeiro.

Após cortes na compra de 16 C-27J da USAF as aeronaves não serão mais convertidas em aeronaves artilhadas AC-27. A USAF passou a estudar a conversão de MC-130 para gunship. Com o desgaste acelerado da frota de AC-130 as aeronaves devem ser retiradas de serviço em 5-10 anos. O USMC comprou nove kits de conversão do KC-130J para gunship com mísseis Hellfire e Viper Strike substituindo o canhão de 105 mm, sensores externos, com canhão na porta lateral opcional no programa Harvest Hawk. Com o cancelamento AC-XX a USAF também quer seguir a idéia do Harvest Hawk instalando os kits em oito MC-130W com tripulação extra, kits de armas e sensores, além de manter a capacidade de realizar operações de reabastecimento em vôo e outras missões.

A Índia planeja comprar 10 aeronaves de transporte pesado C-17.

O Líbano recebeu uma aeronave Caravan armada com mísseis Hellfire e equipada com torreta FLIR e lançador de chaff e flares. Também foram recebidos um lote de 20 mísseis Hellfire. A aeronave tem dois lançadores nas asas para disparar os mísseis.

A Thales mostrou seu novo casulo Damocles XF (eXtended Features) que deve ficar pronto em 2012. Entre as novas capacidades estão o maior alcance, melhor resolução e capacidade de enviar imagem de vídeo para tropas em terra.

A França comprou 10 casulos Damocles para entrega em 21011 para equipar os Mirage 2000D, Super Etendard e Rafale para uso imediato no Afeganistão.

Os Emirados Árabes Unidos planejam comprar 60 caças Rafale por 6 a 8 bilhões de Euros dependendo do pacote de armas e apoio logístico.

O Japão estuda compra de 40 caças F-22 com as entregas podendo começar em 2014, mas necessita de aprovação do Congresso americano. O custo total pode chegar a US$ 11,6 bilhões sendo US$ 2,3 bilhões para modificar a aeronave com o custo por aeronave chegando a US$ 290 milhões. O F-22 é vendido para a USAF por US$ 142,5 milhões.

A IAI/ELTA mostrou seu novo casulo de designação de alvos TASCAN para caças. O TASCAN é equipado com um radar de abertura sintética (SAR) e sensores eletroóticos. O radar é usado para busca de área com capacidade de detecção de alvos móveis e depois usa os sensores de imagem para investigar com mais detalhes. O casulo é mais longo que o Litening.

Israel anunciou não estar mais interessada no LCS e nem a corveta da Northrop Grumman em favor de uma versão local da Meko A-100 com 2.200 toneladas.

A Turquia assinou contrato com o estaleiro HDW alemão para fornecer seis submarinos classe Type 214 por US$ 3,5 bilhões incluindo produção local.

A Rockwell Collins recebeu um contrato de US$ 12,1 milhões para a fase desenvolvimento de tecnologia do programa Ground Soldier Ensemble (GSE) do US Army. O GSE é o sucessor do programa Land Warrior e Future Warrior. A primeira fase criará e refinará o protótipo seguido de testes limitados.

A Oshkosh Corporation foi contratada por US$ 1,055 milhões para fornecer 2.244 blindados MRAP All Terrain Vehicles (M-ATV) com o primeiro chegando no Afeganistão em outubro. Cada um custa US$ 446 mil. O M-ATV pesa 15 toneladas, capacidade de carga de 1,8 toneladas, cinco tropas e com tração 4x4. A velocidade máxima é de 105 km/h e alcance de 515 km. O O M-ATV é pouco maior que um Hummer. A escolha do M-ATV é devido ao fato dos MRAP serem baseados em caminhões. A cápsula produz um centro de gravidade alta e com tendência a capotar para o lado. Também são grandes e difíceis de manobrar em ruas estreitas. Os MRAP não têm bom torque sendo pouco potente para o peso. São inadequados para operar fora estrada e que piora devido ao centro gravidade alto. O programa M-ATV seria a solução.

Retia checa mostrou seu radar portátil capaz de detectar pessoas atrás de paredes chamado Retia Through Wall Vision (ReTWIS). O ReTWIS pesa 7kg e a carga da bateria dura 5 horas.

A Alemanha comprou dois sistemas NBS C-RAM Skyshield por US$ 48 milhões para entrada em serviço em 2011 para proteção de tropas no Afeganistão. Cada sistema tem seis canhões e um sistema de controle de tiro. O sistema usa munição programada AHED de 35mm. O objetivo é destruir foguetes, artilharia e morteiro para proteção de bases fixas. Os EUA e Reino Unido já usam o Phalanx Mk15 Centurion na função com munição de auto-destruição especial.

A Krauss-Maffei Wegmann (KMW) foi contratada para fornecer 405 veículos de combate Puma para o Exército alemão por 3,1 bilhões de Euros.

http://sistemadearmas.sites.uol.com.br/

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Notícias de Maio de 2009

A Embraer foi contratada pela FAB para desenvolver o KC-390 por US$ 1,3 bilhões. O programa inclui a fabricação de dois protótipos e uma aeronave de transporte militar.

A Embraer foi contratada pela MB para modernizar nove caças AF-1 monoposto e três AF-1 biposto por US$ 106 milhões. As aeronaves serão reformadas e seus sistemas modernizados com novos aviônicos, radar e OBOGS.

A FAB selecionou a Aeroeletrônica para modernizar os aviônicos de 54 aeronaves Bandeirante por US$ 35 milhões. Entre as aeronaves estão 10 da versão de patrulha marítima.

A Inbrafiltro mostrou o blindado VBL (Veículo Blindado Leve) desenvolvido junto com a Agrale. O VBL pesa 6,5 tons com capacidade de levar até oito tropas. Será usado para missões de reconhecimento e apoio de fogo podendo ser equipado com uma torreta com armas. O custo da versão básica é de US$ 250 mil.

A Iveco e o EB mostraram uma maquete da Viatura Blindada Transporte de Pessoal Média de Rodas (VBTP-MR) para substituir os blindados Urutu. O veiculo pesa vazio 18 toneladas, usa motor diesel, tração 6x6, anfíbio e leva 11 tropas. Tem 6,91 metros de comprimento, 2,7 metros de largura e 2,34 metros de altura e foi projetado para ser transportado pelo C-130. Pode ser equipado com torre de canhão ou metralhadora. O VBTP-MR será base para uma família de blindados médios em dez versões como veículos de reconhecimento, socorro, combate de fuzileiros, posto de comando, comunicações, morteiro leve, morteiro pesado, central diretora de tiro, oficina e ambulância. O protótipo deve estar pronto em 2010.

A Mectron e a Britanite IBQ Defence Systems mostraram um novo projeto de kit de bomba guiada chamado Acauan (falcão) ou SMKB (Smart Kit Bomb) desenvolvido junto com o CTA. O kit usa guiamento por INS apoiado por navegação por satélite. O receptor de satélite é compatível com o GPS americano, Glonass russo ou o Galileo europeu. O CEP é tido como 6 metros (se não for interferido) e bem melhor que modos de disparo CCRP. As empresas não informam se estudam adicionar outros kits de guiamento como laser, TV ou infravermelho. A Britanite é responsável pela cabeça de guerra, kit de cauda e sistema de planejamento missão. Uma vantagem do novo kit é a facilidade de integração, particularmente em aeronaves pouco sofisticadas, pois não precisa conexão de databus para controle ou designação de alvos. As empresas desenvolveram um sistema sem fio portátil com criptografia que pode programar as coordenadas do alvo em terra ou no ar ou modos de operação. Assim o kit pode ser integrado em qualquer aeronave sem apoio do fabricante da aeronave. A energia da bomba é gerada por uma pequena hélice no nariz da bomba não precisando de energia da aeronave. O kit virá em versões para ser instalado nas bombas Mk82 ou Mk83. As empresas não estudam um kit para a bomba Mk84 por ser considerada potente para "ataques cirúrgicos" (apesar de vários alvos importantes precisarem de armas até mais potentes) e também não citam se será usada em bombas penetradoras BPEN. A SMKB/Acauan pode ser disparada a uma altitude de até 10 mil metros com alcance de 16 km a 24km. Um kit de asas está em desenvolvimento para aumentar o alcance para 35-40 km. A primeira entrega é esperada para 2010, e as empresas citam que já foi vendida para outro país da América do Sul e pelo menos quatro oriente médio.

Os Emirados Árabes Unidos estão testando o Heavy infantry fighting vehicle (HIFV) como parte de um projeto de US$ 15,8 milhões dado a Sabiex belga em 2005.

O US Army comprou 28 mil miras térmicas TWS II por US$ 2 bilhões para equipar fuzil e metralhadoras com custo médio de US$ 8.200 cada. O novo modelo tem várias melhorias que consideraram informações das tropas como um modelo mais leve, fácil de usar e manter. O TWS II virá em três tamanhos, o leve para o M-16 com alcance de 550 metros, o médio para metralhadoras com alcance de 1.100 metros e o pesado para metralhadoras pesadas e lança-granadas com alcance de 2200 metros. O novo modelo é 1/3 mais leve no geral e usa baterias padronizadas ao invés de baterias especiais e difíceis de substituir. As novas baterias podem ser encontradas em lojas como já feito no Iraque. O US Army já opera 20 mil TWS de modelos anteriores e novos.

A Lockheed Martin mostrou o seu projeto de exoesqueleto Human Universal Load Carrier (HULC) para aumentar a força de soldados e evitar fadiga prematura. O HULC está sendo desenvolvido em conjunto com a Berkeley BionicsTM. O HULC permite que um soldado leve 90kg de cargas sem esforço. Em combate já levam cargas pesadas diminuindo a agilidade e aumentando o desgaste. O HULC transfere o peso das cargas para a terra com baterias elétricas e um computador garante que o esqueleto se moverá seguindo os movimentos do corpo.

A Airtronic americana esta produzindo e comercializando versão local da RPG-7 incluindo governo local.

HTML clipboard O Vietnã comprou seis submarinos classe Kilo Russos por US$ 300 milhões cada.

O Peru comprou dois navios de desembarque classe Newport e seis helicópteros SH-3H Sea King de segunda mão da US Navy.

O UAV Avenger (Predator C) foi mostrado pela General Atomics em desenvolvimento com fundos próprios. O Avenger é um UAV a jato com formas furtivas, cauda em V e entrada de ar superior. Estava previsto o voo em 2006, mas foi atrasado até 2008 e novamente para este ano. O uso primário é para vigilância radar. A US Navy está interessada desde 2002, mas não quer uma aeronave a hélice no convés. O Avenger já foi projetada com asas dobráveis e gancho de parada para poder operar embarcado, além de facilitar o armazenamento. O trem de pouso é o mesmo do F-5. O MQ-1 Predator B custa US$ 7 milhões e o MQ-9 Predator C deve custar o triplo, mas ainda será metade do custo do Global Hawk com 85% do desempenho. A propulsão será um turbofan Pratt & Whitney PW545B com as mesmas armas do Predator B Reaper mantendo o papel Hunter/Kiiler. O objetivo é ter uma maior capacidade de sobrevivência em cenários de maior intensidade. Sendo a jato terá maior velocidade de transito com melhor tempo de resposta. O MQ-1 tem maior autonomia e o MQ-9 leva mais carga com o Predator C sendo uma mistura das duas capacidades com resposta rápida. O Avenger tem 20 metros de envergadura e atinge uma velocidade será de 740 km/h e teto máximo de 60 mil pés. Os sensores podem ser o radar SAR Lynx e sensores eletroóticos com o FLIR do F-35. O compartimento interno de armas pode levar bombas GBU-38 de 227 kg. A carga total é estimada em 3 mil libras podendo ser armas e sensores incluindo no compartimento interno de cerca de 10 pés de comprimento. O transporte externo será feito em cenários de menor intensidade podendo levar combustível extra internamente para 2 horas a mais adicionadas as 20 horas de autonomia.

A Boeing está desenvolvendo um UCAV chamado Phantom Ray baseado no protético do programa Joint-Unmanned Combat Air System (J-UCAS). Objetivo é demonstrar técnicas avançadas. O primeiro voo é esperado para 2010.

A Finlândia contratou a Kongsberg por 340 milhões de Euros para fornecer o sistema de defesa aérea Advanced Surface-to-Air Missile System (NASAMS) para substituir os mísseis SAM russos SA-11/17 (9K37 Buk) como parte do programa Medium Range Air Defense Missile System (MRADMS). A compra não inclui os mísseis AMRAAM que poderá custar mais 100 milhões de Euros. O radar de vigilância Raytheon MPQ-64F2 irá custar US$ 175 milhões.

A Raytheon foi contratada por US$ 207 milhões para fornecer 207 mísseis Tomahawk Block IV sendo 153 mísseis VLS, 42 mísseis CLS e 12 cápsulas CLS.

O US Army está estudando um míssil SAM de longo alcance para complementar o SLAMRAAM. O novo míssil deve usar o mesmo lançador e radares do SLAMRAAM com alcance de 30 km contra os 18 km.

A Raytheon foi contratada por US$ 521 milhões para fabricação de 105 mísseis AMRAAM modelo AIM-120D, 11 mísseis de instrumentação, dois de testes, 72 CATM, e 495 AIM-120C7 para vendas ao exterior.

A România comprou dois radares High-frequency Surface Wave por US$ 16 milhões da VSE Corporation, subcontratada da Raythoen. O objetivo é proteger as 200milhas da Zona Econômica Exclusiva no mar negro.

Os rádios militares são projetados para serem seguros, atuando com rádios similares, e não para atuarem em rede. Os rádios definidos por software como o JTRS americano são a solução para estes problemas, mas com muitas limitações. A Rafael está comercializando o sistema C4I-Connect para plataformas aéreas e superfície. O C4I-Connect usa um rádio com capacidade VOIP e ROIP (radio over IP) lembrando o Skype ou similares, para substituir as linhas telefônicas. A voz é convertida em pacotes da internet e distribuídas entre endereços IP. O sistema usa rádio ou telefonia já existente. O comandante no C4I-Connect pode chamar qualquer um, incluindo enviando texto e chat para quem escolher. O resultado é um piloto de caça poder se comunicar direto com alto comando. Mensagens e arquivos podem ser gravados para debrifieng.

A Boeing revelou o novo caça F-15SE (Silent Eagle) para competir com o F-35 no mercado de exportação. O F-15SE é basicamente um F-15 com radar AESA, novos aviões e fuselagem modificada com menor RCS. Os tanques conformais (CFT) tem dois compartimentos internos de armas cada um com dois pontos duros, um na asa e um trapézio capaz de levar bombas JDAM de 454 kg ou mísseis AMRAAM. A porta superior abre com um trilho para AMRAAM ou AIM-9X ou bombas de 227 kg. Todos podem levar dois SDB cada. A cauda foi inclinada em 15 graus para fora para diminuir necessidade de lastro e diminuir o RCS. A assinatura frontal foi diminuída com cobertura absorvente de radar. A Boeing confirma que o RCS não ajuda contra radares em terra. A assinatura térmica também não foi diminuída. A BAE Systems participa com o Digital Electronic Warfare System (DEWS) de guerra eletrônica. A aeronave pode ser reconfigurada para padrão não furtivo trocando o CFT levando armas externas e maior capacidade de combustível. O CFT pode ser trocado em 2,5 horas e depois instalar os novos. Com o novo CFT o alcance diminui de 180 a 200 milhas devido a menor capacidade de combustível. A Boeing já tinha estudado um F-15 furtivo como alternativa ao F-22, sendo a novidade o CFT com armas internos. O RCS frontal pode ser baixado ao nível do F-35, deve usar um bloqueador de radar nas entradas de ar, mas não deve ser vendido. As novas capacidades podem ser aplicadas a aeronaves já operacionais custando bem menos. O projeto foi oferecido a Israel, Japão, Cingapura, Arábia Saudita e Coréia do Sul. A Boeing espera vender 190 unidades. O custo é estimado em US$100 milhões incluindo apoio logístico e treinamento. Os testes de voo foi planejado para 2010 incluindo disparo real de armas.

HTML clipboardHTML clipboard HTML clipboard O USMC está estudando a modificação de vários KC-130J de reabastecimento em vôo para ter capacidade gunship similar ao AC-130 Spooky e Spectre da USAF como resulto da necessidade das tropas no Afeganistão para de um maior pode fogo. O USMC viu o a operação com sucesso dos AC-130 nos conflitos recentes, mas não tem como comparar por custar o triplo do KC-130. O programa se chama Harverst Hawk. A aeronave receberá equipamento modular de armas e sensores podendo ser um canhão Mk44 Bushmaster II de 30 mm, mísseis AGM-114 Hellfire montados nas asas e armas de longo alcance. O plano inicial são para três kits e depois ter três kits roll-on/ roll-off por esquadrão criando um "gunship instantâneo". Serão nove kits em 2011 e outros 12 em 2012. Os kits serão melhorados com o tempo. A fase I seria a capacidade básica com pod na seção traseira do tanque externo esquerdo, com os dados indo para um container especial com consoles, mísseis Hellfire com lançador na asa esquerda e um canhão ATK Bushmaster de 30mmm movido na porta. O candidato a sensor são Lockheed Martin AN/AAQ-30 TSS já usado no AH-1Z e alguns AC-130 e no L-3 Wescam MX-15D (AN/AAQ-35). A Lockheed Martin foi contrata por US$ 22 milhões para desenvolver o sistema de controle de tiro roll-on, roll-off (modular) para instalar nos KC-130J.

A AgustaWestland mostrou o mock up do helicóptero TUHP 149 helicóptero para participar do programa Turkish Utility Helicopter Programme (TUHP) da Turquia. A aeronave está sendo desenvolvida junto com a empresa TAI local para uma encomenda de até 115 helicópteros. O TUHP 149 tem peso máximo de decolagem de 8,1 toneladas, capacidade de carga de 3 toneladas e 18 tropas. É propulsado por dois motores GE CT7-2E1 de 2 mil SHP. A aeronave pode ser armada com cabides de armas laterais. A construção modular o torna fácil de reconfigurar podendo ser usado em missões de transporte tropas, apoio logístico, apoio de fogo, SAR e CSAR, operações especiais, reconhecimento, vigilância, EVAM, C2 e transporte VIP.

A Bell está estudando o conceito Hybrid Tandem Rotor (HTR) que consiste em uma aeronave capaz de voar a 225 kts com conceito composto com motores nas pontas das asas criando potencia para os rotores. Em vôo frontal as asas descarregariam os rotores para atingir velocidades maiores. No pouso a asa inclina 25 graus.

A Boeing mostrou o conceito de sua proposta do F/A-XX para substituir os F/A18E/F em 2025. A aeronave é descrita como uma aeronave de sexta geração como outros candidatos ao F/A-XX, o N-UCAS não tripulado.

A Lockheed Martin foi contratada por US$ 400 milhões pela DARPA para construir um demonstrador de um dirigível de grande altitude não tripulado como plataforma de radar para o programa ISIS (Integrated Sensor is Structure). O objetivo é substituir aeronaves como o E-3 AWACS e E-8C JSTARS em uma única plataforma. O outro concorrente foi a Northrop Grumman. O ISIS terá um radar UHF de banda dupla monitorando alvos no ar e em terra, com alcance muito maior que as plataformas que irá substituir. A autonomia poderá ser de vários anos na mesma área com uso de células de combustível e energia solar.

Angola está interessada na compra de seis Super Tucanos para sua força aérea a um custo de US$ 62 milhões fora as armas.

Os cortes no orçamento de defesa italiano poderão levar a diminuição da frota de caças incluindo a retirada dos caças AMX. As horas de voo para treinamento também diminuirá. Os planos italianos eram ter 200 aeronaves de combate sendo 100 Typhoon e 100 F-35. Inicialmente estava previsto diminuir a frota de 95 Tornados e 65 AMX para 50 de cada tipo que seriam substituídos por 60 F-35A (substituindo os Tornados) e 40 F-35B (substituindo o AMX).

A Austrália pretende comprar sete helicópteros CH-47F Chinook por US$ 560 milhões.

http://sistemadearmas.sites.uol.com.br/



sábado, 14 de março de 2009

Notícias de Março de 2009

A FAB contratou a Embraer por US$ 147,5 milhões para modernizar 43 aeronaves AMX. O objetivo é aumentar a capacidade operacional e de sobrevivência da aeronave. As outras 10 aeronaves restantes poderão ser modernizadas dependendo de novos financiamentos.

O Exército cancelou a modernização dos Blindados M-113B chamado VBTP M113 BR. As propostas não foram aceitas e outros motivos externos também influenciaram.

A MB comprou o navio britânico RFA Sir Bedivere que será chamado na MB de Navio de Desembarque de Carros de Combate Almirante Sabóia. O será incorporado em maio de 2009.

A USAF comprou 15 aeronaves de transporte C-17 por US$ 194 milhões cada. O objetivo é diminuir o desgaste excessivo da frota atual em operações militares. A vida útil do C-17 é de 30 mil horas, mas a frota está voando mais e em situações mais exigentes que o esperado e os primeiros modelos comprados devem sair de serviço em 5-10 anos. O problema já tinha acontecido com o C-141 que sofreu muito desgaste na Guerra do Golfo em 1991 e foi retirado de serviço antes do planejado (2010). Com o contrato atual a compra da USAF chegou a 190 aeronaves, mas pode chegar a um total de 350 comparado com os planos originais de 120 aeronaves.

O Comando de Operações Especiais americano (SOCOM) comprou 10 aeronaves M-28 Skytruck poloneses. Objetivo é usar uma aeronave de transporte leve capaz de operar em pistas curtas e improvisadas levando pequenas equipes de forças especiais e suprimentos como no Afeganistão. Atualmente enviam aeronaves C-130 para a missão.

A Boeing está estudando a possibilidade de voltar a produzir o OV-10 Bronco para a USAF em missões de ataque leve e contra insurgência (COIN). A aeronave poderia participar do Projeto AO-X ainda não iniciado. A USAF irá testar o AT-6 Texan II em missões ofensivas ainda em 2009. Outros candidatos serão o AT-6, o A-67 Dragon e o Embraer EMB-314 Super Tucano.

A Georgia Institute of Technology foi contratada pela DARPA para passar a fase 1b do programa Heliplane. O objetivo é desenvolver um girocóptero a jato capaz de voar a mais de 645 km/h. O uso será para busca e salvamente em combate com capacidade de levar carga 500 kg a 1800 km sem reabastecimento em vôo. A aeronave consiste rotor impulsionado a jato na decolagem e pouso, mas que gira sem propulsão na maior parte do tempo de vôo com propulsão sendo feita por outro meio. O objetivo é poder usar a melhor capacidade da aeronave e do helicóptero. A propulsão é energia feita por um motor a reação para passar impulso a hélice com jatos nas pontas das hélices ao invés de usar caixa de transmissão.

O Escritório de Guerra Irregular da US Navy está estudando o uso do Super Tucano para Apoio Cerrado para suas forças de operações especiais. O programa se chama Imminente Fury (fúria iminente) e já testou um Super Tucano armado operado por um piloto e um operador de sistemas. O objetivo é usar as capacidades para apoiar as tropas em operações em terra seja ofensivamente ou reconhecimento ao redor. Outras tarefas são inteligência durante preparação do campo de batalha, retransmissão de comunicações, reconhecimento ao redor do alvo durante as operações, e avaliação de danos de batalha. A US Navy pretende colocar quatro aeronaves em operações rapidamente na segunda fase do projeto custando US$ 44 milhões e pretendem procurar ajuda da USAF e USMC.

O Paquistão planeja comprar 36 caças FC-20 ( J-10 na China) até 2010.

O Kuwait estuda a compra de 28 caças Rafale.

A Turquia comprou 14 caças F-16C e 16 F-16D block 50 por US$ 797 milhões.

O C-17 foi oferecido a Índia para um RFI de uma aeronave de transporte estratégico.

O México comprou seis helicópteros Eurocoptor EC725.

A BAe System está desenvolvendo um Hostile-Gire Indicator (HFI) com sensor acústico portátil para alertar aeronaves voando baixo e helicópteros de disparos de armas leves. Os pilotos seriam alertados e tomariam medidas defensivas e iniciariam manobras evasivas. os testes devem iniciar em 2009.

O F-35 foi selecionado para substituir os F-16 da Noruega vencendo a concorrência contra o Gripen. Serão encomendadas 48 aeronaves. Na Holanda o F-35 foi escolhido com sendo a melhor opção para substituir a frota de F-16 vencendo o Gripen e o F-16.

A Itália comprou quatro aeronaves de patrulha ATR-72 MPA para serem entregues em 2012. As aeronaves serão propriedade da força aérea, mas com controle operacional da marinha e operados com tripulação conjunta. Inicialmente serão equipados com sistemas limitados e depois modernizados devido a falta de fundos. A aeronave irá usar o sistema de missão Selex Galileo ATOS que incluiu o radar Seaspray 7500E e sensor FLIR OST-23.Parece que a Itália abandonou o programa P-8 Poseidon.

A Índia iniciou o projeto Medium Combat Aircraft (MCA), ou aeronave de combate média, multifuncional. A aeronave da classe de 20 toneladas terá tecnologia furtiva com compartimento interno de armas, entradas de ar com serpentina, radome furtivo, e material RAM e RAP. Será propulsado com dois motores Kaveri aperfeiçoados com velocidade máxima de Mach 1.6 e com capacidade supercruzeiro. O motor terá vetoramento de empuxo. O MCA não compete com o programa MRCA para substituir os Mig-21 e sim para substituir os Mig-29 e Mirage 2000.

A Índia planeja comprar seis aeronaves de patrulha marítima com opção para mais duas para substituir os BN-2 Islander. O pedido de propostas será lançado em 2009 e querem substituir as atuais aeronaves por uma aeronave maior. As propostas são o Alenia ATR-72-500MP Surveyor, o Antonov AN-72P, uma versão modificada do P-8 Poseidon, o Dassault Falcon 900DX MPA, o CASA C-295 e o Embraer P-99. O contrato deve ser assinado ainda em 2009 com entrada em serviço entre 2012 a 2013. As aeronaves irão patrulhar a Zona Econômica Exclusiva junto com os onze Dornier 228 já em uso. A Índia divide a área de patrulha marítima em três camadas de vigilância e os Donier e a nova aeronave irão patrulhar a camada média e o P-8I Poseidon a camada externa. A Camada interna será vigiada pelos UAV israelense sendo oito IAI SearcherII e quatro Heron UAV suplementados pela marinha com mais dois Heron.

A Rússia e a Índia pretendem desenvolver duas versões do caça de Quinta Geração FFGA. As aeronaves terão asas, eletrônicos e radares diferentes. A versão indiana terá dois lugares devido a exigência de superioridade aérea indiana enquanto a versão russa será monoposto. Os testes de vôo devem iniciar em 2009 com entregas em 2015.

A Força Aérea Russa pretende comprar um lote de caças Mig-35. O objetivo é assegurar o futuro da aeronave no mercado como o programa MRCA indiano para compra de 126 aeronaves. Já a marinha comprou um pequeno lote de caças Mig-29KUB.

O Omã pretende comprar 24 caças Eurofighter Typhoons por 1,5 bilhões de libras. Os aviões irão substituir os Jaguar em 2012. O Omã está interessado na compra de 24 caças Eurofighter Typhoon para substituir os 12 Jaguar em 2012. As aeronaves podem ser os Typhoon da RAF do lote Tranche 1 block 5. A RAF tem 53 aeronaves do tipo e gostaria de vender para comprar os lotes Tranche 3 visto que os primeiros tem pouca capacidade de modernização. Se a compra se efetivar seriam armados com armas guiadas ar-suprfície.

Os Emirados Árabes Unidos comprou 48 Alenia Aermacchi M-346 Master por US$ 1,27 bilhões incluindo apoio logístico e simuladores. . Metade será usado para LIFT (Lead in Fighter Trainer) e metade para ataque. As entregas se iniciarão em 2012 e concorreu com o T-50 coreano. O programa é parte de outro programa no valor de US$ 4,2 bilhões que inclui a compra de quatro aeronaves de transporte estratégico C-17 e 12 transporte tático C-130J. O jato M-311 está disputando com o turboélice suíço Pilatus PC-21 para treinamento básico. O equivalente russo Yak-130 é vendido a US$ 15 milhões.

Um novo sistema de radar para enxergar através de paredes Xaver 400 foi oferecido ao US Army. O sistema pesa 3kg e tem alcance de até 20 metros. A bateria dura 2,5 horas e pode enviar imagens a centenas de metros para outro mostrador. O EUA já usa um sistema similar chamado RadarVision no Iraque desde 2006 que mostrou ser muito útil nas operações urbanas equivalendo aos óculos de visão noturna nas operações a noite. O RadarVision2 com capacidade similar ao Xaver 400 também está sendo oferecido. O custo varia de US$ 20 a 30 mil cada.

A Alemanha deve investir US$ 87 milhões para equipar 400 blindados Puma com mísseis anti-carro Spike LR.

A Republica Checa comprou 107 blindados Pandur II por US$ 620 milhões. Os Offset serão de 153%. O programa iniciou em 2003.

Os britânicos revelaram novos equipamentos que estão sendo desenvolvidos para equipar suas tropas no futuro. Os projetos incluem o Unmanned Ground Vehicle robot Testudo, o sistema Saturn, o Micro UAV formigueiro e o material absorvente de colisão para capacete D30.

A IAI israelense está desenvolvendo um drone anti-míssil capaz de caçar alvos em terra como baterias de mísseis SAM e lançadores de mísseis balísticos. Será um UAV descartável chamado de Harop. O alcance será de 1000km com autonomia de quatro horas. A aparência externa é similar ao Harpy, mas asas maiores, e nariz mais comprido com canards. O Harop é lançado de terra e usa sensor de imagem para detectar e atacar alvos.

A US Navy iniciou planos para desenvolver um sucessor dos submarinos lançadores de mísseis balísticos Trident da classe Ohio. Várias opções estão sendo estudadas e pode nem ser um submarino.

A Coréia do Sul iniciou a produção da primeira de seis fragatas FFX-I de 3.100 toneladas chamas de classe Ulsan-I. Junto com as patrulheiras PKK e as futuras fragatas FFX-II/III serão o centro das três frotas regionais da Coréia na defesa das águas territoriais. As FFX-I terão capacidade de defesa de ponto ao contrário das PKK.

O Morteiro Nemo de 120mm da empresa Patria finlandesa selecionado pelo Emirados Árabes Unidos para armar 12 embarcações de patrulha já em operação. Os navios serão usados para proteção costeira.

O Paquistão comprou três submarinos alemães Type 214 por US$ 1 bilhão. A primeira entrega será 64 meses após a assinatura do contrato com o resto entregue em até12 meses.

Aproveitando as lições das operações no sul do Iraque, os Fuzileiros Reais Britânicos iniciou recebimento de novas canhoneiras Offshore Raiding Craft (ORC) para apoio de fogo a operações fluviais e proteção de forças anfíbias. A embarcação será usada para infiltração e exfiltração de comandos e apoio de fogo em regiões costeiras e rios. A embarcação feita de alumínio tem nove metros e está protegida com placas de blindagem removíveis com proteção até o calibre 7,62mm. Está equipada com dois motores de 250hp podendo atingir 36 nós carregado com alcance de 200 milhas. O ORC tem dois tripulantes e pode levar oito tropas em assentos na versão de assalto. Na versão de apoio de fogo pode receber metralhadoras e lança-granadas automáticos com duas metralhadoras na frente, três na traseira e um comandante no meio controlando. A embarcação está equipada com um sensor térmico para varrer a área a frente da patrulha. O ORC pode ser levado em reboque em terra, aeronave C-130 ou helicóptero Chinook. O objetivo é comprar 46 ORC.

Coréia do Sul comprou um radar anti-míssil EL/M-2080 Green Pine de Israel por US$ 215 milhões com entrega prevista para 2012.

A Boeing/Lockheed Martin e a Raytheon estão participando do programa Small Diameter Bomb II (SDB II) para uma versão de guiamento terminal da SDB capaz de atacar alvos móveis. O pedido de proposta devem ser lançados em junho. As duas propostas terão sensor de três modos com capacidade de guiamento infravermelho, laser semi-ativo e radar de onda milimétrica.

O UAE comprou 224 mísseis AIM-120C-7 AMRAAM para equipar seus caças F-16E.

A Índia está comprando 300 mísseis Barak por US$ 1,6 milhões cada. Cada sistema (container com oito mísseis, radar, e sistemas de controle) custa US$ 24 milhões.

A RAF iniciou a operação do Dual Mode Brimstone (DMB) no Iraque nos Tornado GR4. A RAF lançou o requerimento em 2007 para uma arma de precisão com pouco dano colateral com capacidade man-in-the-loop contra alvos móveis. O contrato foi feito em agosto de 2007. O DMB é guiado pelo casulo Litening II com modo laser semi-ativo e com capacidade de radar de microondas no modo autônomo. O DMB é usado para Apoio Cerrado e COIN.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Noticias de Janeiro de 2009

A MB assinou contrato com a DCN francesa para compra de quatro submarinos da classe Scorpene, com opção para mais dois, e desenvolvimento de um submarino nuclear. O modelo será chamado SBR e inclui leme traseiro em X no lugar do leme em cruz e sistema de comando SUBTICS. A entrega iniciará em 2015. O Scorpene já está em uso no Chile (2 navios), Malásia (2) e Índia (6). Outros programas planejados com a França são programas especiais soldado do futuro e os helicópteros EC-725. Foi anunciado que o lote de 51 helicópteros EC-725 serão divididos na base de 16 para a MB, 16 para o EB e 18 para a FAB com as entregas iniciando em 2010 a um custo total de 1,2 bilhões de Euros.A MB planeja construir 32 navios patrulha até 2016 em estaleiros nacionais por R$ 2,97 bilhões. Serão 27 navios patrulha de 500 toneladas por R$ 2,16 bilhões e cinco navios patrulhas oceânicos de 1.800 toneladas por R$ 815 milhões. A MB comprou oito mísseis AGM-119 Penguim Mk-2 MOD 7 por 15,7 milhões de Euros. Os mísseis anti-navio irão equipar os helicópteros Seahawk. O contrato inclui apoio logístico.

O EB comprou mísseis portáteis Igla-S (9K338) por US$ 4,3 milhões de reais.

A FAB estuda a compra de aeronaves de transporte com capacidade de 40 toneladas de carga ou mais, com alcance de no mínimo 4 mil km. O requerimento inclui rampa traseira e capacidade de pousar em pistas rudimentares. Os possíveis candidatos são o IL-76, C-17 e An-124.

A FAB estuda compra de mais oito aeronaves de transporte Casa C-295. A FAB já recebeu 12 aeronaves operando em dois esquadrões e que agora serão usados também para busca e salvamento no Esquadrão Pelicano.

O Perú comprou 500 mísseis anti-carro russos Kornet e Spike israelenses. A proposta do Ingwe sul-africano não foi aceito.

A Polônia contratou a Krongsberg por US$ 144 milhões para compra do míssil anti-navio Naval Strike Missile (NSM) para defesa costeira. A entrega iniciará em 2012. O NSM venceu o RBS-15 da SAAB.

Israel pediu autorização ao Congresso Americano para compra de mil bombas guiadas GBU-39 SDB e 150 lançadores múltiplos BRU-1/A por US$ 77 milhões.

A Índia comprou o sistema de defesa aérea Spyder da Rafael por US 260 milhões.

Israel pretende comprar a JDAM-ER para atingir alvos nos países vizinhos sem que suas aeronaves deixem o espaço aéreo israelense. O alcance da JDAM com os novos kits de asas planadoras aumenta de 25 para 80 km.

A DARPA cancelou o projeto Blackswift para uma aeronave hipersônica de testes. A aeronave seria usada para reconhecimento estratégico voando a Mach 6 com motor Ramjet com função equivalente ao SR-71.

A Força Aérea Boliviana comprou seis jatos Aero L-159 por US$ 57, 8 milhões com planos para compra de outros 6 a 12 jatos para substituir a frota de 17 jatos T-33. O contrato inclui treinamento e apoio logístico.

A Polônia pretende compra treinadores supersônicos T-50 da Coréia do Sul.

O Iraque estuda a compra de 36 treinadores AT-6B Texan II por US$ 520 milhões incluindo apoio e armamento. O contrato inclui 10 sistemas de alerta de mísseis MILDS e 10 lançadores de engodo ALE47. O apoio logístico será por 15 anos.

A Turquia planeja comprar 32 helicópteros de ataque Mi-28 até a entrada em operação dos A-129 Mangusta. O objetivo é usar na luta contra guerrilha Curda. O custo total deve chegar a US$ 1 bilhão.

A Venezuela comprou quatro helicópteros de ataque Mi-28N (Night Hunter). A Rússia anunciou que vendeu 12 helicópteros do tipo, mas não cita quem comprou os outros oito.

A Índia pretende comprar oito aeronaves de patrulha marítima de longo alcance P-8 Poseidon por US$ 2,1 bilhões (US$ 220 milhões cada) para substituir seus oito Tu-142M a partir de 2014.
A Republica Dominicana confirmou a compra de oito Super Tucanos. A EMBRAER vendeu um total de total 144 Super Tucanos até o momento.

A Arábia Saudita comprou 80 terminais de datalink MIDS/LVT-1 por US$ 31 milhões para equipar seus novos caças Eurofighter Typhoon.

Além de estudar a compra de 14 caças F-16AM e dois F-16BM holandeses para substituir os F-5E Tiger III, o Chile também estuda a compra de 10 caças F-16 Block 50 novos adicionais com entrega entre 2010 e 2012. A frota aumentaria para 54 caças F-16 sendo 20 novos.

Dois Cessna 208B Grand Caravan iraquianos foram testados com dois mísseis Hellfire. As aeronaves receberão um FLIR e serão entregues em 2008. Outros três serão entregues em 2009.

O Pentagono aprovou a aquisição de 16 aeronave canhoneiras AC-27J Stinger II no programa "Gunship Lite" (ou AC-XX) a partir de 2011. O AC-27J é a versão artilhada do C-27J Spartan com o programa iniciado ainda em 2008 com um C-27A armazenado sendo testado com armas de 30mm ou 40mm que poderão ser usadas o programa. Outra arma a ser usada serão armas guiadas de longo alcance como o míssil Viper Strike.

Os EUA planeja operar uma frota de 51 aeronaves C-12 Huron configuradas para missões de vigilância e reconhecimento com sensores semelhantes ao UAV Predator para serem usadas no Afeganistão e Iraque. A USAF planeja operar três esquadrões de C-12 Huron com 37 aeronaves, o USSOCOM três aeronaves e o resto será operado pelo US Army.

A Marinha Australiana iniciou o projeto Sea 1000 para uma nova geração de submarinos diesel-elétricos de ataque para substituir seus seis submarinos da classe Collins. O primeiro deve entrar em operação em 2025. O requerimento inclui grande velocidade de trânsito e grande autonomia. O custo é estimado em US$ 23 bilhões incluindo a operação dos submarinos.

A Coréia do Sul contrato o estaleiro HDW alemã para compra de seis submarinos classe 214 equipados com AIP. Esta compra é o segundo lote que deve se juntar ao primeiro lote de três submarinos.

A Marinha do Equador comprou dois UAV Heron e dois Searcher da IAI por US$ 23 milhões para usar em patrulha naval. O contrato inclui um radar da Elta, quatro FLIR e duas estações de controle.

A A Northrop-Grumman apresentou o X-47B Unmanned Combat Air System (UCAS), seu primeiro avião de combate não-tripulado para a US Navy. A aeronave deve voar em 2009 e realizar testes embarcados em 2011.

O Pentágono anunciou uma proposta de venda de armas para o Iraque pelo FMS de 140 carros de combate M1A1M modernizados, oito M88A2, 64 M1151A1B1 HMMWV, 92 M1152 Shelter Carriers, 12 M577A2 Command Post Carriers, 16 M548A1 Tracked Logistics Vehicles, 8 M113A2 Armored Ambulances e 420 AN/VRC-92 Vehicular Receiver Transmitters. O custo total será de US$ 2.160 bilhões.

O USMC estuda um novo substituto para suas metralhadoras M-249 SAW no programa Infantry Automatic Rifle (IAR). As armas estão desgastadas pelo uso e o USMC pretende incorporar um modelo melhor para combate em localidade que agora é o cenário que domina o campo de batalha. A SAW é considerada pesada, falha com frequencia e os cintos de munição são considerados pesados. O programa IAR foi iniciado em 2005 e os requisitos é de uma arma com a capacidade do M-16 mas sem o risco de "cook off" em fogo sustentado. A arma deve ser bem mais leve com um peso desejável de menos de 5 kg contra mais de 7kg da SAW (vazio). A IAR irá usar o carregador de 30 tiros considerado rápido de trocar e com maior cadencia de tiro possível. Os concorrentes são o Colt CAR baseado no M16, a SCAR-IAR baseado no SCAR Mk16, o HK416 modificada e o LWRC M6A4 baseada na Ultimax 100. O objetivo é comprar 4.100 IAR para substituir 2 mil SAW diminuindo o total de 10 mil para 8 mil metralhadoras M-249 no arsenal.

http://sistemadearmas.sites.uol.com.br/index.html